A casa reta: de onde e porque

Este texto não tem perfil acadêmico, o que geraria muitas referencias artísticas e históricas. É voltado para o público leigo ou relativamente informado da área, com interesse em construir, seja como proprietário ou como empreendedor construtor.

Resumo histórico

As construções que muitas pessoas​

Em cidades como Cairo, Marrocos e diversas outras da África, Mikonos e toda a região mediterranea, já existiam casas de perfil “telhado reto”. Isso está em alguns casos associado ao índice pluviométrico muito baixo, em outros, a cultura do local mesmo, ou à ausência de telhas como são conhecidas: as de cerâmica.

Já em 1898, com o Palácio Stocklet para a Sezession de Viena, de Joseph Olbrich, e a proposta da Cite Industrielle de Garnier, as casas retas de Adolf Loos e outros arquitetos do final do século XIX já ensaiavam a reaplicação da estética racional e livre de ornamentos inúteis, como defendiam alguns, ou relacionada à beleza industrial da nova era, para outros.

Importante destacar aqui que este estilo não é contemporâneo, não é minimalista (o que é outra proposta parecida com o industrialismo racional e o anti-art nouveau).

As obras hoje concebidas com linhas retas estão associadas também a influencia européia fortemente derivada da industrialização da construção civil, e da marcante necessidade de insolação no inverno em locais mais frios. Isso é absolutamente oposto ao que ocorre no Brasil, que carece sempre de beirais exceto no lado sul , ou climaticamente, janelas menores para evitar o ataque das radiações solares e o efeito estufa, paredes mais grossas e com menor inércia térmica.

Se bem que na prática um dos fatores que mais tenham contribuído para a utilização das coberturas “planas” seja o custo do madeiramento de um telhado convencional, sabemos que o fator cultural é mais forte que o financeiro, e mesmo gastando 5% a 10% a mais no custo da obra, (com não necessária correspondente valorização do imóvel...) a telha cerâmica ainda é preferida como cobertura, principalmente na opinião dos mais antigos.

A lenda que existe em torno da cobertura plana é que ela “esquenta”. Claro, sem laje e com a telha de 4mm, a 2,50 de altura como numa casa de baixíssima renda: será um forno. Mas o caso é a laje e a telha 6mm distante pelo menos uns 30cm no ponto mais baixo, onde há a calha.

Outra lenda é que ela “desvaloriza” o imóvel. Um mito irritante, pois as melhores obras são feitas tanto com telhado cerâmico, shingle, plana fibrocimento, metálica, ou qualquer outra cobertura. Desde que o projeto seja bom, e a obra também.

A maior vantagem da cobertura plana, em termos administrativos, é o consumo muito baixo de madeira, o que é perfeitamente coerente com uma postura comprometida com o meio ambiente. Além disso, reduz o custo da mão-de-obra pois o pedreiro pode assentar estas telhas, já que o madeiramento é muito simples.

Por outro lado, as calhas e rufos encarecem o m2 deste tipo de cobertura, mas ainda assim fica no final, mais barato que o telhado convencional.

Em termos estéticos, corresponde ao desprendimento do conservadorismo clássico, com uma postura mais racional já proposta séculos atrás, mas também absolutamente atual.

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Ishida Arquitetura, Design & Construção - desde 2005

Rua Danaides, 53 Ap 23 - Vila Anhanguera - São Paulo - SP - arquitetoishida@gmail.com
11-99912 8929
  • LinkedIn - Black Circle
  • Facebook Black Round